Se os remédios atuassem diretamente na parte do corpo que está com problemas, os efetos colaterais seriam mínimos, mas eles precisam, habitualmente, fazer longos percursos dentro de nós para chegarem ao local específico. Quando tomamos um remédio, ele primeiro percorre todo o aparelho digestivo até ser absorvido pela corrente sanguínea.

Nesse processo de absorção é que pode acontecer de um remédio ácido causar a sensação de queimação no estômago. Depois, o remédio precisa passar pelo fígado, onde é transformado em componentes que podem ser facilmente expelidos, podendo afetar as células do fígado, causando entorpecimento, icterícia e urina escura.

Saindo do fígado, o remédio segue pelos vasos sanguíneos até o seu destino, podendo causar alguns de efeitos colaterais, mesmo porque o remédio destinado para uma parte do corpo pode ser atraído quimicamente para outra.

Um remédio de uso comum é o anti-histamínico, usado para tratar por exemplo o nariz escorrendo, ele atua contraindo os vasos que estão deixando o muco sair, porém ao mesmo tempo, esse remédio pode retardar a ação das células nervosas do cérebro, deixando a pessoa mole e sonolenta.

Ao apresentar alergia ao medicamento utilizado é preciso ter muito cuidado, os sintomas podem variar em: fortes dores de cabeça, coceira, manchas vermelhas pelo corpo e até mesmo falta de ar. Nessa situação, o médico deve ser consultado para saber qual a melhor ação.