Quase todas mulheres possuem aqueles risquinhos no corpo, esses riscos são cicatrizes que se formam normalmente quando a pele estica muito e de forma rápida, destruindo as fibras elásticas e colágenas. São "linhas" avermelhadas, roxas ou brancas formadas pela diminuição da espessura da derme e da epiderme, conhecidas por estrias.

Quando a estria é avermelhada ou arroxeada é sinal de que são recentes, podem apresentar coceira e arder, além de sofrerem um processo inflamatório local. Já as estrias brancas são as antigas, sinal de que já ocorreu uma atrofia intensa das fibras da pele e não há inflamação. Para as pessoas com pele morena ou negra, as estrias aparecem com uma coloração mais escura do que o tom de pele.

Nas mulheres, as estrias costumam aparecer nas coxas, glúteos, abdômen e nos seios. Acontece muito na fase da adolescência, quando a mulher cresce muito e aumenta o peso. Já quando adulta, as estrias aparecem durante a gravidez e devido ao implante de prótese de silicone nos seios. Já nos homens é mais comum nos ombros, braços e costas, devido ao excesso de musculação e uso de anabolizantes, além do ganho de peso.

Mas atenção, estrias largas e sem motivo para o surgimento pode ser sinal de doenças endocrinológicas e é importante consultar um médico. De qualquer forma, quando o problema é apenas estético, há formas de tratamento.

A eficácia do tratamento dependerá de diversos fatores, como o local em que a estria se encontra, o tamanho, a idade e genética do paciente. O ideal é dar início assim que os primeiros sinais surgirem, já que não há a cura total, mas melhora a aparência. Conheça os tipos de tratamento:

Ácido retinóico: Uso caseiro por meio de cremes, o ácido estimula a produção de colágeno na região com estria. É de extrema importância manter o local sempre hidratado.

Microdermoabrasão: Deve ser feito com muito cuidado, renova os tecidos da estria facilitando a penetração do ácido retinóico.

Infravermelho: Aumenta a temperatura na derme estimulando a produção de colágeno, remodelando a derme.

Laser ablativo e fracionado: Método eficaz nas estrias mais antigas, tem um dano térmico controlado e requer poucas sessões, a única desvantagem é o desconforto no momento das aplicações.

Laser não ablativo: Não machucam a pele e podem ser aplicadas em qualquer época do ano, porém é necessário um número maior de sessões do que o laser ablativo.

Subcisão: Procedimento cirúrgico que consiste na ruptura das traves de fibrose produzindo um hematoma pode ser associado a esse tratamento a sutura da estria ou o preenchimento das áreas atrofiadas com ácido hialurônico.