O vitiligo é uma doença cutânea que causa a perda da pigmentação da pele, com o surgimento de manchas em todo o corpo e pode afetar qualquer parte do corpo, inclusive o cabelo, o interior da boca e os olhos. Porém nem em todos os casos, o aparecimento da doença ocorre de forma igual.

Ainda não há uma causa comprovada, mas acredita-se que seja um problema autoimune, o próprio corpo destrói os melanócitos, que são responsáveis pela formação da melanina, formando as manchas. Qualquer pessoa está sujeito a ter a doença, mas o surgimento é mais comum até os 20 anos e é mais perceptível em pessoas com a pele mais escura.

Existem dois tipos de vitiligo:

Localizado

As manchas podem surgir em, pelo menos, três partes do corpo, com evolução rápida e estabilização em semanas ou poucos meses. Podem ser classificados em focal, com manchas em duas ou três partes do corpo; Segmentar, caracterizado por manchas em apenas um lado do corpo; Mucosas, que atinge apenas os lábios e genitais.

Generalizado

Manchas simétricas em todo o corpo. Dentro do generalizado, tem o tipo vulgar, com manchas simétricas em várias partes do corpo; Misto, que consiste na mistura do vulgar com o segmentar; Universal, o mais raro que atinge mais de 70% do corpo; Acrofacial, com manchas apenas no rosto, nas mãos e pés.

Não apresenta sintomas diferentes do surgimento de manchas brancas pelo corpo, mas pode afetar a auto-estima do paciente, sendo recomendado o acompanhamento psicológico.

Apesar da causa ser desconhecida, existem alguns tratamentos para ajudar a recuperar o tom da pele, mas nem sempre se tem um resultado satisfatório e os tratamentos podem causar efeitos colaterais. Por isso, normalmente é indicado o uso de creme autobronzeador e maquiagem para disfarçar as manchas.

É muito difícil paralisar o vitiligo, mas alguns organismos reagem extremamente bem aos medicamentos, podendo até regredir a doença. Logo no início, são indicados cremes que ajudam a restaurar a cor da pele, em alguns pacientes pode levar meses até surgir algum efeito, mas existem efeitos colaterais, a pele pode afinar e surgir estrias no local. Para intensificar o resultado, há a possibilidade de combinar o uso desses medicamentos com terapia de luz ou a laser.

Para outros casos, são indicadas cirurgias que podem ser feitas pelo enxerto de pele com a pigmentação original sobre as partes que perderam a pigmentação, ou enxerto de bolhas com pigmentação sobre as partes descoloridas, ou ainda a micropigmentação, um procedimento muito parecido com o utilizado na aplicação de tatuagens.